Fechar
Metadados

@InProceedings{GuedesBorm:2017:AnCaFí,
               author = "Guedes, Betina de Jesus and Borma, Laura de Simone",
          affiliation = "{Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)} and {Instituto 
                         Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)}",
                title = "An{\'a}lise das caracter{\'{\i}}sticas f{\'{\i}}sicas e 
                         qu{\'{\i}}micas da turfa existente na regi{\~a}o do banhado de 
                         s{\~a}o jos{\'e} dos campos com vistas ao aux{\'{\i}}lio na 
                         identifica{\c{c}}{\~a}o do potencial de queima espont{\^a}nea 
                         desse material",
                 year = "2017",
         organization = "Semin{\'a}rio de Inicia{\c{c}}{\~a}o Cient{\'{\i}}fica e 
                         Inicia{\c{c}}{\~a}o em Desenvolvimento Tecnol{\'o}gico e 
                         Inova{\c{c}}{\~a}o (SICINPE)",
                 note = "{Bolsa PIBIC/INPE/CNPq}",
             abstract = "A presente pesquisa teve por objetivo avaliar a 
                         varia{\c{c}}{\~a}o da umidade volum{\'e}trica ao longo de um 
                         perfil de solo com cerca de 2m em profundidade, como 
                         fun{\c{c}}{\~a}o da precipita{\c{c}}{\~a}o, em uma {\'a}rea 
                         de vegeta{\c{c}}{\~a}o tropical esparsa. Para tanto, entre julho 
                         de 2015 e maio de 2017, foram coletados dados de umidade do solo 
                         obtidos por meio de sensores do tipo TDR (Sentek, Enviroscan) 
                         instalados nas profundidades de 10 cm, 20 cm, 40 cm, 60 cm, 90 cm 
                         e 190 cm. A {\'a}rea de estudo est{\'a} localizada na sede do 
                         INPE, em S{\~a}o Jos{\'e} dos Campos coordenadas 23º 12 25 S e 
                         45º 51 40 W. Os dados de umidade do solo foram analisados com base 
                         nos dados de precipita{\c{c}}{\~a}o medidos pela 
                         esta{\c{c}}{\~a}o meteorol{\'o}gica pertencente {\`a} Rede de 
                         Esta{\c{c}}{\~o}es Meteorol{\'o}gicas Autom{\'a}ticas 
                         INPE/CCST/ELAT Grupo de Eletricidade Atmosf{\'e}rica, localizada 
                         nas proximidades da {\'a}rea de estudo. O sensor de umidade 
                         coleta medidas de 30 em 30 minutos enquanto os dados de 
                         precipita{\c{c}}{\~a}o s{\~a}o coletados de 10 em 10 minutos. 
                         Tratamentos estat{\'{\i}}sticos foram feitos de modo a se 
                         trabalhar com varia{\c{c}}{\~o}es di{\'a}rias e mensais da 
                         umidade e da precipita{\c{c}}{\~a}o. Os resultados mostram que 
                         as camadas superficiais do solo (sensores localizados a 10cm, 20cm 
                         e 40cm de profundidade) apresentam maior amplitude dos dados 
                         quando comparados com as camadas mais profundas (60cm, 90cm e 
                         190cm), Na superf{\'{\i}}cie, os maiores valores de umidade 
                         (respectivamente, 31%, 31% e 30% para as camadas de 10cm, 20cm e 
                         40cm) foram observados no auge do per{\'{\i}}odo chuvoso 
                         (jan/17). Os menores valores (respectivamente 15%, 18% e 15%) 
                         foram observados no auge do per{\'{\i}}odo seco (set/16). No 
                         entanto, esse padr{\~a}o de comportamento foi diferente para o 
                         per{\'{\i}}odo de seca extrema que atingiu a regi{\~a}o sudeste 
                         no ano hidrol{\'o}gico de 2014/2015. Os dados mostram que os 
                         menores valores de umidade do solo da ordem de 7% foram observados 
                         nas camadas mais profundas (90 e 190cm) em nov/14 e dez/14. Para 
                         um ano com precipita{\c{c}}{\~a}o considerada normal p.e. 2017 o 
                         teor de umidade na camada a 90cm de profundidade manteve-se em 
                         torno de 20%. Por se tratar de uma {\'a}rea com 
                         vegeta{\c{c}}{\~a}o esparsa, n{\~a}o foi poss{\'{\i}}vel 
                         observar de forma clara a influ{\^e}ncia da 
                         assimila{\c{c}}{\~a}o de {\'a}gua por parte das ra{\'{\i}}zes 
                         no perfil de umidade. Assim, a grande amplitude de umidade 
                         observada nas camadas superficiais do perfil foi principalmente 
                         atribu{\'{\i}}da {\`a} influ{\^e}ncia clim{\'a}tica, em 
                         particular, {\`a} precipita{\c{c}}{\~a}o. Com isso, conclui-se 
                         que normalmente as camadas superficiais s{\~a}o as mais afetadas 
                         pelo clima, por{\'e}m em tempos de seca extrema as camadas mais 
                         profundas 90cm e 190cm tamb{\'e}m podem ser afetadas. Para dar 
                         continuidade a esse projeto est{\~a}o programadas as atividades: 
                         an{\'a}lise em laborat{\'o}rio para a classifica{\c{c}}{\~a}o 
                         do solo nas profundidades em que est{\~a}o instalados os sensores 
                         e instala{\c{c}}{\~a}o de sensores de fluxo de seiva em 
                         {\'a}rvores localizadas nas imedia{\c{c}}{\~o}es dos sensores, 
                         para medida da transpira{\c{c}}{\~a}o das plantas.",
  conference-location = "S{\~a}o Jos{\'e} dos Campos, SP",
      conference-year = "25-26 jul.",
             language = "pt",
           targetfile = "Guedes_analise.pdf",
        urlaccessdate = "24 nov. 2020"
}


Fechar