Fechar
Metadados

%0 Report
%4 sid.inpe.br/mtc-m21c/2020/07.31.19.59
%2 sid.inpe.br/mtc-m21c/2020/07.31.19.59.06
%A Moor, Lilian Piecha,
%A Paula, Eurico Rodrigues de,
%A Schuch, Nelson Jorge,
%@affiliation Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
%@affiliation Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)
%@affiliation Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)
%@electronicmailaddress lilian@lacesm.ufsm.br
%@electronicmailaddress eurico@dae.inpe.br
%@electronicmailaddress njschuch@lacesm.ufsm.br
%T Estudos dos efeitos das tempestades magnéticas nas irregularidades ionosféricas utilizando sinais GPS
%D 2006
%I Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
%C São José dos Campos
%K tempestade magnética, irrregularidade ionosférica.
%X Com o intuito de estudar os efeitos das tempestades magnéticas, como por exemplo, as bolhas de plasma, a Divisão de Aeronomia DAE/INPE, em colaboração com a Universidade de Cornell (EUA), mantém 13 receptores GPS instalados em 8 pontos de observação, distribuídos no Território Brasileiro. Estes receptores são monitores de cintilação em amplitude (SCINTMON) da portadora L1 transmitida pelos satélites GPS. O Sistema GPS consiste numa rede de 24 satélites distribuídos em 6 diferentes órbitas em torno da Terra. Cada satélite emite constantemente dois sinais com freqüências na banda L, 1,57542 GHz e 1,22760 GHz. O sinal do GPS pode ser degradado ao transpor a Ionosfera. Esta região atmosférica que se estende desde os 60 km até aproximadamente 1500 km de altitude é formada, na sua porção superior, pela ionização de gases atmosféricos N2, O2 e O. A fonte de ionização mais significativa é a radiação solar no espectro do Extremo Ultra- Violeta (EUV) e Raios-X. A ionosfera apresenta irregularidades, entre elas citamos, por exemplo, as bolhas de plasma. Estas são regiões de rarefação do plasma ionosférico, as quais causam mudanças no índice de refração no meio, sendo capazes de dispersar ondas de rádios transionosféricas como o sinal emitido pelo GPS. Quando estas flutuações são devido ao efeito das bolhas de plasma sobre os sinais de GPS elas são denominadas como cintilações ionosféricas. O aparecimento destas bolhas tende a seguir um determinado padrão sazonal. A época de observação das bolhas ionosféricas normalmente tem início em setembro e segue até março. Com relação ao horário de ocorrência, elas são observadas nos períodos entre as 18 horas e 6 horas (hora local). Entretanto, asbolhas ionosféricas podem ser observadas em outras estações do ano em períodos magneticamente perturbados devido à penetração no equador magnético de campos elétricos de origem magnetosférica. Através do processamento destes dados, obtemos a elevação de cada satélite no campo de visada do receptor e os valores de potência de sinal recebido. A partir deste último, identificamos a ocorrência ou não de cintilação do sinal. O índice de atividade magnética Dst foi adotado para caracterizar magneticamente o período considerado neste estudo. Este índice permite ser utilizado para apresentarmos uma correlação entre a observação das irregularidades ionosféricas sobre o território brasileiro utilizando dados de GPS e a atividade magnética, especialmente seus efeitos no Sul do Brasil. Trabalho de pesquisa desenvolvido no Centro Regional Sul de Pesquisas Espaciais CRSPE/INPE MCT, em Santa Maria, RS.
%P 88
%O Bolsa PIBIC/INPE/CNPq
%@language pt
%9 RPQ
%3 Llilian Piecha Moor.pdf


Fechar